De torcedor para torcedor – Site não oficial

Aspectos do jogo XV: FB x TE (singleback)

11/07/2013 - 11:52


FB

Seguindo a série Aspectos do Jogo, o post de hoje trata de um assunto bem controverso no futebol americano moderno: a necessidade ou não de um fullback (FB) em um ataque da NFL. Conversamos sobre o assunto há algum tempo em um grupo do facebook e é sempre produtivo para o Broncos Brasil trazer estes posts específicos sobre a liga e o esporte. Assim todos podem compreender melhor o jogo que amam e enriquecer a discussão e troca de idéias entre nós mesmos. 

Se você quiser dar uma lida nos artigos anteriores da série, confira aqui a lista completa de todos os assuntos já abordados. Muito deles falam do nosso querido Denver Broncos, mas muitos servem para conhecimento em geral de qualquer fã de futebol americano.

 

Houve um tempo no futebol americano em que os FBs jogavam em todos os times da NFL e eram considerados como jogadores titulares. Todos os times tinham também formações de singleback, mas era uma minoria dos snaps em que ela era utilizada.

No futebol americano moderno, a tendência que temos observado é a de cada vez menos a presença de fullbacks em campo. O Denver Broncos, tendo um dos melhores quarterbacks passadores da história recebendo os snaps, também faz parte disso. O Peyton Manning é um exímio passador e os nossos alvos favorecem essa tendência; mas você conhece as diferenças entre os 2 sistemas?

 

aaa

O Vonta Leach é possivelmente o melhor FB da NFL neste momento. Free agent, é cogitado como possível reforço do Denver Broncos para a temporada 2013.

FB x singleback

Nas formações de singleback, nós temos sets com 2 TEs, 1 TE e 1 WR, ou ainda 4WR. Existem muitas variações com esses personnels, mas não vamos nos prender a isso.

O importante neste momento é entendermos que a razão que faz com que não haja 1 FB em campo nestes casos não é por mera fidelidade ao singleback ou algo do tipo; mas sim porque um FB não é útil na maioria dessas jogadas.

 

Vantagens de ter um FB em campo

1. Ter um lead blocker nas jogadas de corrida (especialmente entre os tackles);
2. Um corredor adicional no depth chart;
3. Outra opção de corrida na mesma formação para confundir os defensores;
4. Contar com um bom pass blocker dentro do pocket para pegar os blitzers;
5. Variação de chamadas podendo utilizar o FB passes curtos de screen, shovel e etc.

 

Vantagens de uma formação singleback

1. Uma opção a mais de recebedor já alinhado perto da linha de scrimmage;
2. Ter um bloqueador extra na linha ofensiva (um tight end, por exemplo) que serve tanto em jogadas de corrida quanto de passe;
3. Melhorar consideravelmente a proteção contra blitzes pelo edge;
4. Mais ajuda no caso de ter jogadores de OL mais leves no roster.

 

Porque optar pelo singleback

Nenhum time consegue “fazer tudo”, então eles procuram se especializar em certos aspectos do jogo. Devido às restrições financeiras (salary cap) e númericas (elenco de no máximo 53 jogadores), as franquias focam em detalhes de jogo para procurar vitórias. Uma dessas decisões passa por manter um FB no roster ou utilizar o espaço com outro TE.

A tendência atual, agora que a NFL é uma liga de passes, é que o FB não seja mais uma prioridade. Uma das maiores mudanças dos anos 70 para hoje é a retirada do fullback, dando lugar para formações com múltiplos tight ends. Hoje em dia vemos com frequência 3 deles em campo ao mesmo tempo.

Outra novidade que contribui para a escolha de um TE atualmente, é que esses jogadores são muito utilizados também em passes. Antigamente quando havia algum TE em campo, a formação aparentava uma poderosa probabilidade de corrida.

Assim, os TEs provem grande flexibilidade que os FBs não o fazem. Se a defesa apresentar cornerbacks mais leves cobrindo os TEs (formação nickel), o time corre com a bola. Se a defesa trouxer mais LBs para a cobertura, então o ataque vai fazer passes.

Tendo um QB capaz de acertar passes precisos na mão desses recebedores fortes, neste caso a escolha fica óbvia para o Denver Broncos nos próximos anos.

 

aaa

Além de ótimo bloqueador, o TE Joel Dreessen é também bastante utilizado em recepções dentro da redzone.

TE recebedor ou TE bloqueador?

Talvez esta seja a decisão mais difícil de um time quando ele resolve abrir mão de um FB legítimo. Qual tipo de de TE é mais importante para o time?

No caso do Denver Broncos, temos os 2 perfis e estamos muito bem servidos na posição, apesar da pouca fama dos nossos jogadores.

O Joel Dreessen é um ótimo bloqueador, fazendo dupla com o Virgil Green na função; enquanto o Jacob Tamme e Julius Tomas são do tipo recebedor.

O ideal então é que se mesclem os talentos de cada tipo. Mas o que fazer em times quando isso não é possível? 

Para os torcedores em geral, o TE favorito para se manter no roster é o recebedor, já que aparece mais. Mas, no fundo, acredito que os TE bloqueadores são muito mais necessários

Com um bom sistema e execução, um cara bloqueador pode ser colocado em situações favoráveis no downfield para receber passes em diversas jogadas.

Porém, se um jogador não é bom bloqueador, não há sistema, esquema e etc que o faça melhorar neste aspecto. É por isso que o mais prudente é investir o dinheiro e lugar em roster num bloqueador e não recebedor, quando um time não puder ter ambos.

 

Pensando nisso tudo, você prefere ter um TE e utilizar mais formações de singleback ou ter um FB legítimo no roster para deixar o ataque terrestre mais poderoso? Concorda com os meus argumentos em escolher um TE bloqueador ao invés de um recebedor? Deixe suas opiniões abaixo para podermos conversar.

Espero ter conseguido escrever tudo do modo mais simples possível, mas se você tiver alguma dúvida, sugestão ou quiser acrescentar algo, fique a vontade. Lembre-se que somos todos aprendizes e a troca de idéias e informações é fundamental para o crescimento de todos nos aspectos do jogo desse esporte que amamos.

GO BRONCOS!

Gostou do post? Clique em Like e Comente ;)

Este post não necessariamente representa a opinião
do BroncosBrasil.com, mas unicamente de seu autor.

16 comentários

  • Minha opinião é meio biased pela posição na qual jogo, mas sou muito mais favorável ao uso de TE do que de FB. Sem sombra de dúvida.

    Pega, por exemplo, o Dreessen. Ele é um excelente bloqueador, ninguém passa por ele em jogadas nas quais ele fica bloqueando. Além disso, em jogadas de corrida, ele age como FB, porque lidera a corrida e sai bloqueando quem estiver pelo caminho. E por fim, em caso de necessidade, ele tem mãos macias o suficiente pra servir de válvula de escape ou jogada surpresa no ataque.

    O Tamme é um ótimo TE também, e dois TEs em campo dobram o perigo. Se o time não tem um bom jogo aéreo, como era nosso caso com o Tebow, aí o FB é até que justificado, porque é mais uma opção pro Option, além de ser um bloqueador a mais nas corridas. Mas o TE, em geral, é mais ágil que o FB, o que, ainda nessas situações, faz com que é ele ainda seja a melhor escolha.

    Sinceramente, vejo FB destinados a logo logo ter a mesma função que o drop kick: participou de momentos importantes na história, mas ficou no passado.

    • Mãos macias? Monange? HAHAHAH sacaneei o LH!

      Mas compartilho da sua opinião.

      • Monange é coisa de pobre. Jogador de NFL usa L'Occitane ;)

  • Digite o texto aqui!

  • Acredito que depende muito de outro aspecto, que seria o sistema de bloqueio utilizado no jogo corrido, porque utilizando o ZBS acho que é melhor você ter 2 TEs em campo, pois você terá 4 duplas para fazer o bloqueio duplo dando um maior poder de contenção e com 4 bloqueadores para o segundo nível e com o audible ajustar se vai ser passe e corrida, mas é claro que o TE tem que saber como bloquear.

    Vai também do sistema do ataque que o time quer utilizar. Pegando o exemplo do Vikings é essencial ter um lead blocker, porque tem que concentrar poder de bloqueio para o jogo de AP, caso vc tenha um otimo QB como o caso do Broncos, vc pode se dar o luxo de jogar com 2 TEs ainda mais que o jogo corrido não anda lá essas coisas no time.

    • Concordo, tudo depende de sistema. O Vikings sem um lead blocker teria sido um ataque terrestre bem menos poderoso.

      So discordo quando vc diz que o jogo corrido do Broncos nao anda la essas coisas. Te dou um desconto pq eu mesmo nao saberia dizer com propriedade e precisao muitas coisas a respeito do Rams rs. So que vc vai se surpreender com o nosso ground-and-pound de 2013 =)

  • Discordo que FB "vai virar" drop kick. Só da uma olhada na eficiência do AP com e sem FB.

    • Antes de o Hernandez ter sido recolhido dos waivers pelo Adam Sandler, ele era o exemplo perfeito disso. Ele é TE, mas em diversas jogadas alinhava como FB. O AP não é eficiente com ou sem FB, ele é eficiente com ou sem alguém exercendo a função de FB. E um TE pode exercer essa função tão bem quanto um FB de origem, com o bônus de que se a jogada for um play-action, ele estará livre no backfield pra receber um passe.

      • Eh que sem o Ray Lewis na NFL, a liga ficou sem um TE Killer de verdade. Nao, pera…. ahahahahahhaha

    • Eh, "drop kick" foi uma metafora bem ruim mesmo, mas a tendencia eh que os FBs legitimos desaparecam com o tempo e sejam usados TEs nessa funcao nas jogadas de lead blocker.

  • Acho que o que vai se extinguir são os FB puros. O que vai acontecer (já está) é que os times continuarão usando as formações com fullback em certas situações mas colocando TEs pra fazer essa função, como ja vem acontecendo em vários times.

  • Queria aproveitar e parabenizar os responsáveis pelo site. Ótimos posts, site sempre atualizado e layout muito bonito e práttico. De longe o melhor site brasileiro que já visitei de um time da NFL.

    • Muito obrigado! Fique a vontade para sempre comentar e interagir.

    • Agradecemos a preferência! Volte sempre!

    • Valeu Lucas, sempre que quiser ta convidado a comentar e dar seus pitacos. Concordo plenamente com o seu ai acima…

Deixe seu comentário


7 − = zero

Curta o BBr no Facebook

Aposta 10

Comentários +Recentes

Grupo do Facebook

Siga o BBr no Twitter